você precisa ser feliz pra viver, eu não.

sexta-feira, 26 de março de 2010

COR DA MORTE



Foto: Pablo Jacob
http://br.olhares.com/jacob3

mosca-de-fogo

Aos caçadores de vaga-lumes, que necessitam da noite para sobreviver...






Ainda não há textos, nem palavras, posto que, pelo menos por hora, ainda é dia,



a noite talvez virá


e com ela os vaga-lumes, afim de ser caçados,


para logo após serem libertados,


presos


por mera


vaidade.




de se ter por um instante, a luz em suas mãos.



domingo, 21 de março de 2010

Na quaresma

é quando pecamos...

terça-feira, 16 de março de 2010

Poesia do Jornal


Dia de domingo.

Sol.

Comprou jornal,
pra procurar emprego.
Encontrou letras grandes,
criticando o governo.

A saúde vai mal.
A educação também.
Tirando dinheiro de criança,
e de quem não tem.

Na ditadura da mídia.
Todos tem liberdade.
Ninguém quer a igualdade.

Escolhe-se a quem criticar,
proteger,
reger,
manipular.


O humilde cidadão
que quer o seu pão
e informação
Tem os dois.
O primeiro duro
sem vida
O segundo impuro
com mãos.
Mexendo as peças.
Escolhendo as noticias
num longo tabuleiro.
Tapando os olhos
de quem quer ver.
Estimulando o que você quer:
Ler,
reclamar,
desejar,
ser.

Na ditadura da midia.
Eles tem liberdade,
para nós não termos igualdade.

Favorendo uma classe idiota
que não quer pobre na escola.
Botam você para ver
mulher pelada na TV.
Não querem que você aprenda,
que usam crianças como oferenda.
Não querem que você saiba,
que eles te dão só esmola.
Migalhas.
Não querem que você saiba
o que você deveria saber.

Eles não querem,
libertar você.

segunda-feira, 15 de março de 2010

Até onde vai a mentira?
Dois dias?
Ou somente um jeito de quebrar a rotina...

Até onde vai a verdade?
Duas horas?
Ou somente um jeito de ir embora...

Tudo isso,
na verdade,
não importa.

sexta-feira, 12 de março de 2010

terça-feira, 2 de março de 2010

Novas Idéias

Caro autor, como é difícil buscar ideias novas. A historia que tu tentas escrever não é original. Essa ideia de um vilão e um mocinho, com a vitória deste último no final, já está velha, diabética quase morta. Ela está na UTI, pronta para entrar em coma. Essa outra Idéia de começar a historia pelo final e depois ir desencadeando o meio com o começo, já está domada, madura. É quase uma dama puta. Vai com quem pagar mais. Não há ousadia, ela está aí pelo serviço, pelo dinheiro. Já terminou a sua fase de luz, da juventude. Não acredita mais em nada. Só quer os vinténs que lhe cabem.
Agora, caro autor, as Idéias novas, que meninas teimosas! Não ficam quietas, não se adequam a nada. Tem que ser educadas, com muita disciplina, rigor. Se não elas ficam frouxas, mimadas. Parir uma Idéia é muito difícil, eu sei, mas cria-las, educa-las, faze-las crescerem e ficarem fortes é o mais complicado. Uma Idéia Original é igual a tudo que é novo. Causa estranhamento, rejeição. Os leitores preguiçosos como sempre não querem incomodar a sua vista com algo que não é comum. Eles querem letras grande, palavras conhecidas. Querem velocidade, agilidade. Tudo em um só momento, tudo em um só lugar. Tudo já. Eles preferem e até suplicam por Idéias velhas com quem eles já tem intimidade.
O leitor tem receio de conhecer Idéias novas. Ela já é tímida por sua natureza, pela sua idade. O leitor, homem compromissado e sempre ocupado, já não tem tempo para aprecia-la. Prefere pagar por uma Idéia prostituta do que sentar, conversar e decifrar uma Idéia nova. Os autores então ficam sem saída. Também como as putas, precisam de dinheiro e assim vão perpetuando as velhas Idéias. As meninas novas e levadas, vão amadurecendo, não pelo leitor e sim na gaveta. Vão se transformando como suas primas mais velhas, se vendendo. Sem autor e sem leitor elas não tem saída, somente aceitar as coisas como são e se adequar.
Assim, caro leitor, a culpa é sua. Do mesmo modo que a culpa também é sua autor. Ambos não insistem e as meninas desistem. Acabam também elas, como vocês, se transformando em mais uma puta no mundo para se vender...
.
para a primeira nota que lhe estenderem...
pobres
putas.
.
.