você precisa ser feliz pra viver, eu não.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Encomenda

Fazer textos sob encomendas é como pedir às Idéias preguiçosas para se levantarem e trabalharem. Vamos! Levantem! Trabalhem!- Exalta o autor com energia, e elas respondem graciosamente com longos bocejos. Trabalhar um texto é como preparar uma lavoura. Planta-se a Ídéia, cuida dela, com bastante carinho se ela for boa ou pode ser com bastante rigidez e energia se for indisciplinada, e depois disso, colhe-se o fruto: o texto. Ora, nem sempre a lavoura rende, depende de vários outros fatores além do trabalho do autor e da boa vontade da Idéia. Se esta for preguiçosa trará um texto lento, com palavras vagas. Provavelmente dará sono ao leitor, e por conta disso, não irá nunca vê-los. Se porventura ela for entusiasmada, pode proporcionar um bom texto, mas isso não é regra, pode ser atropelado e atrapalhado. Outra variante é o autor. Ele tem que ter dedicação e acreditar na Idéia, faltando isto, no mínimo vai sair um texto desacreditado, por conta da Idéia fraca.... e olha que as vezes ela poderia até ser forte, mas precisa de apoio.
E assim segue a longe jornada pelas palavras que querem ser lidas e outras esquecidas. O texto forçado sai assim truncado. Talvez não atenda as exigencias do Mercado, como são feitos os pedidos de encomenda, e acaba esquecido nas prateleiras. Até o cliente que exigiu palavra por palavra se desinteressa. Resta só a poeira, as baratas e os ratos para roerem palavra por palavra...

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Observações




- Olha, já é meu terceiro cigarro e o maço está acabando. Acabou-se também o amor. Pode fazer noite, dia, chuva, sol. A revolução também se esvaziará. Nada irá ser como o amanhã. Sua ansiedade pela noite e suas estrelas só vai estragar o luar. Não fique decepcionada se - pausa para acender o cigarro - eu for embora agora. Não há tempo. Os segundos estão perdidos. Os minutos são inúteis. Já não tenho certeza da hora. Os dias estão vazios. Semanas passam como brisa...Minhas palavras que outrora já lhe trouxeram prazer, hoje trazem a amarga dor... sinto esse gosto desagradável em minha boca, como se fossem farelos das palavras ao sairem da minha garganta. Não lhe quero mal. Nem quero que me entenda. A confusão que chegou a mim não pode ser simplificada a você. São tantas novas sensações, tanta informação ao mesmo tempo que é necessário liberdade para fita-las, aprecia-las, deixarem elas irem ( se elas quiserem ) ou prende-las se for necessário. Eu preciso de liberdade para prender. É preciso dizer, proclamar a liberdade, para suprimi-la a cada parte de mim.
A cada parte de você.
.
.
.
.
Foto:
Acaua Fonseca

sábado, 3 de julho de 2010

As leis não bastam


Os lírios não nascem da lei.
C.D.A
.
.
.
.
.
Foto: Jarina

sexta-feira, 2 de julho de 2010